Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


images?q=tbn:ANd9GcSZaXwLs2tpak-7hYucol17zjVpamL5ZbPofEZ2IBbVUfBNU1P3sg


Escrita dissecada



Sou a fumaça das chaminés que adentra


às gargantas da terra...
 
Carrego o antigo hábito de caminhar nas


veredas subcutâneas, bisbilhotando sonhos

em construção...

Desde menina tenho facilidade para memorizar,

ando com uma enciclopédia ambulante,

onde estão
gravadas velhas e novas histórias, 

Nenhuma situação passa despercebida frente

ao meu terceiro olho...

Gosto de acariciar as flores, inclusive as rosas

de todas as espécies e cores;

são minhas favoritas. 

Não suporto ver consciências dormitando,

ponho uma música agitada e logo elas vão

cumprir seu papel nas periferias da estação.

Descanso no seio da terra,

Sacio minha sede nas tempestades do deserto

E me alimento do néctar sobejado das abelhas mortas.

Sou  alma inquieta, viajante no tempo, cobrando

dos sonhos a partilha da melhor parte da festa,

enquanto assisto a dissecação da minha escrita.

Nenhum dos caminhos percorridos merecem

minha estadia...

Muitos envelheceram aguardando respostas dos

que não retornaram,

tendo partirdo sem se despedir.


Isis

 
Aparecida Ramos(Ísis Dumont)
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 13/11/2013
Alterado em 16/02/2017
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras