Ísis Dumont -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


 
Homenagem ao poeta “ausente”

 
(Ele veio ao mundo (naturalmente)
Assim como vem todos os mortais
Apesar de não ser um ser"comum".
O poeta, em matéria de palavra
Nada fica a dever a homeme algum.)


A escrivaninha do poeta
Soltou um lamento,
Ruiu a madeira...
A agenda, o diário, a caneta
Folhas avulsas cobertas de poeira.

O poeta partiu discretamente
Deixando sobre a pavimentação
As lágrimas incontidas
Reflexos das dores sentidas,
E velhos sonhos alquebrados
Pisoteados sob os pés daquela gente. 

O poeta sabe que sua ida é para sempre
E parte levando consigo o poema
Do sonho de eternamente.

Um dia o poeta chorou
Lamentou pelos sonhos 
Que não realizou;
E pensou: como a vida é curta, injusta!

Pelas ruas do centro e entre vielas
O cortejo passou...
Adultos acenavam, criançasperguntavam:
Quem é o poeta que agora nos deixou?


- É um ser incomum, a caminho do Pai,
Recebeu alguns dons que lhe fazem "imortal".

Ao olhar para o céu, estrelas rutilantes,
Da terra a contemplar.
Não há criatura que negue
A  imortalidade do poeta
Que (hoje) compõe poemas e canções de amor
Para os anjos que lá o aguardavam,
Espalhando versos excedentes pelo ar!

**********************************

isisdumont.prosaeverso.net



 
Aparecida Ramos(Ísis Dumont)
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 08/11/2016
Alterado em 18/11/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras