Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos





proxy?url=http%3A%2F%2Fportalindependente.com%2Fimagens%2FDSC02242.JPG&container=blogger&gadget=a&rewriteMime=image%2F*
À direita: Antonio de Eloi, à esquerda: Geraldo Vieira, centro : deputado estadual Tião Gomes.


 
Conscientização não é uma palavra fácil de ser pronunciada e utilizada. É algo que não se "põe" na cabeça de ninguém! Não é suficiente (alguém) saber o que se passa ao seu redor para que essa pessoa tome consciência de uma ou mais realidades. A conscientização é um processo, um caminho que precisa amadurecer, ser percorrido e, isso só acontece ou só se constrói através do "caminhar". Somente quando as pessoas estão a par da "situação", quando conhecem seus direitos e deveres, é que podemos (talvez) afirmar que há conscientização.
 
 
O “novo” surgiu para “destronar” a velha oligarquia
 
 
Com apenas 22 anos de emancipação política, o município (de Sertãozinho - PB) está no término de sua quinta gestão. O primeiro prefeito eleito (Geraldo Vieira) foi também o segundo administrador, beneficiado com a reeleição. Esses dois mandatos foram os mais “profícuos” para o município. O prefeito realizou muitas ações em prol dos munícipes: pavimentou a maioria das ruas, construiu e reformou casas para as pessoas mais carentes, construiu escolas, implantou vários programas sociais, beneficiando principalmente a população de baixo poder aquisitivo etc, etc.
 
O segundo gestor (Antonio Ribeiro) obteve também a reeleição, tendo sido administrador durante 8 anos. Diante da impossibilidade de se candidatar à mais uma reeleição, o mesmo apresentou para concorrer às eleições em 2012, a secretária de saúde (na época) Márcia Mouzinho. Eleita com (apenas) 37,23% dos votos válidos, a gestora conduziu uma administração "capenga", com poucas ações e muitas reclamações por parte da população insatisfeita com a precariedade dos serviços e, muitas vezes a falta de assistência.
Certamente, não somente eu que não votei na (ainda) atual gestora, mas as pessoas que acreditaram "nela", não esperavam que fosse tão incompetente e descomprometida com a população que lhe proporcionou a honra de conduzir os destinos do município, inclusive sendo a mesma oriunda de outra cidade.
 
Dessa vez, felizmente o povo acordou, abriu os olhos e percebeu que administrar significa muito mais que beijos, abraços, tapinhas nas costas e elogios com fins eleitoreiros. O povo entendeu que: para ser político não basta ser simpático, educado e reconhecido como cidadão de bem... Tudo isso e muito mais "é" importante, mas não é tudo! Levar às ruas, às casas das pessoas uma proposta nova, pautada no compromisso de se trabalhar pelo desenvolvimento, pelo crescimento não apenas populacional; uma proposta séria de se promover a "humanização" na administração como um todo e oferecer serviços eficientes com mais qualidade à população é essencial, faz e, cá para nós, fez a diferença. Além de contar com a melhor equipe de Campanha, o candidato da Oposição (prefeito recém eleito) é uma pessoa séria, idônea, além de administrador/empregador na área privada, do qual se tem boas referências.
 
A verdade é que, a onda verde invadiu as ruas e bairros da cidade, percorreu os campos e toda zona rural. O povo clamou por mudança, acreditou na proposta e elegeu Antonio de Elói e Geraldo Vieira (vice), com a aprovação de 63,71% dos votos válidos, na chapa de Oposição!
 
O prefeito eleito é filho de outro município, mas isso não teve a menor importância na decisão do eleitorado na hora de votar.
 
O candidato apresentado pela atual gestora (Gilclécio do Cartório, o filho de Sertãozinho) obteve apenas 36,29% dos votos válidos.
Por não haver realizado uma "boa" administração, a prefeita não sentiu-se capaz de concorrer à reeleição.
 
Os Partidos de Oposição (até então) nunca haviam conseguido chegar ao poder.
 
Cansada da mesmice; cansada de ver o município vivendo no atraso há 12 anos e apenas uma minoria obtendo mais qualidade de vida e ascensão social, a população deu a melhor das respostas. Antonio de Eloi surge como "esperança" de um futuro melhor. O amanhã a Deus pertence. Mas esperamos dessa administração muito trabalho, respeito a todas as pessoas, atendimento digno e humanizado, com ações concretas e eficientes e serviços de qualidade para o nosso povo, antes tão massacrado e tratado com descaso e, muitas vezes de forma grosseira ou desrespeitosa por parte dos que fazem a atual administração.

PS.: Vale destacar que
Antonio de Eloi foi candidato a vice prefeito há quatro anos, pelo bloco de Oposição. Agora, além de prefeito eleito, conseguiu também eleger o maior número de vereadores.

A maioria das pessoas mais "beneficiadas" pelo poder estão "lá" há 20 anos, inclusive pensavam que nunca iriam perder! Mas a vontade e o poder soberano do povo mostrou que "birô" e prefeitura não tem "dono/a".
**************************************
Aparecida Ramos
 
 
Na ciência política, oligarquia ("oligarkhía" do grego ολιγαρχία[1], literalmente, "governo de poucos") é a forma de governo em que o poder político está concentrado num pequeno número pertencente a uma mesma família, um mesmo partido político ou grupo econômico ou corporação.
A oligarquia é caracterizada por pequeno grupo de interesse ou lobby que controla as políticas sociais e econômicas em benefício de interesses próprios.
Wikipedia
Definições da Web
(oligarquia) regime político em que o poder é exercido por um pequeno grupo de pessoas, pertencentes ao mesmo partido, classe ou família; preponderância de um pequeno grupo no poder, especialmente para praticar corrupção e governar em interesse próprio
 
Postado por Aparecida Ramos às 17:55 
Ísis Dumont
Enviado por Ísis Dumont em 23/10/2016
Alterado em 25/10/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras