Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


9k=

Andarilho

Na estação, de repente
'dou de cara'
com um verso,
encharcado
chateado
caminhando cabisbaixo
pelo caminho inverso

Sobre dormentes
há membros
repousantes,
gestos gastos
calças puídas
pele insensível
nada do que foi antes
inquilinos da vida
da sobrevida
ao relento


Sob fortes chuvas
lacrimejando
mendingando
gotas de ternura
no campo distante
frio cortante
atormenta o coração
do andarilho
das horas
infindas

Nos corredores
faltam assentos
alguém tropeça
e se despede
de repente
outro grita
o trem agita
sento-me,e
me permito
colocar os acentos
sinto calor
desaperto o cinto
pela vidraça
vejo uma sombra
que me assombra
respiro fundo
preciso agir
pela janela
aceno na direção
do sol
que não surgiu
&&&&&
Ísis Dumont


 




 
Aparecida Ramos(Ísis Dumont)
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 08/09/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras