Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


10696253_722901751118680_1179535711893802086_n.jpg?oh=59eba421dd23e796b2345c83488ff565&oe=54B697D1&__gda__=1422330081_ececfb2c9c87fb55c6a26eddc3a59bbd


PRECISA SER, GOSTAR E SABER
("pra" poder fazer)


 

Para muitas coisas na vida não basta apenas "ter". Se "querer não significa poder", nem sempre quem "tem" gosta ou sabe fazer bem feito. Pode alguém dispor de todas as condições, meios, recursos disponíveis, espaços externos para reivindicar determinados "pleitos" e, ao final da jornada, pouco ou quase nada deixam para aqueles que apostaram, torceram, enfim, deram tudo de si em troca de um sonho. 

Ver um município mais desenvolvido, ruas limpas e arborizadas, saneamento básico, ações de saúde e educação eficientes e humanizadas, reformas e construção de moradias dignas para os que não podem construir, etc, etc, etc, é o desejo maior de todos os cidadãos brasieliros. É triste constatar como muita gente não observa, não avalia determinadas circunstâncias e vivem como se tudo fosse tão "normal"... Não percebem, não refletem sobre como determinadas pessoas viviam antes e como vivem hoje. Quantos saíram da classes "D" e "C" e atingiram o topo da chamada classe "A" entre outros que migraram para a classe "B". Como viviam esses indivíduos? O que fazem atualmente? Onde  estudaram eles e seus filhos e em quais cursos são formados? Quais os concursos que se submeteram para merecer "um lugar ao sol" tão privilegiado? Por que muitos "filhos do povo" continuam nas mesmas calçadas da vida, sentenciados/as a trilhar o mesmo caminho de seus pais e antepassados? Por que esses jovens não conseguem buscar um futuro melhor? O que lhes faltou para que pudessem ter desenvolvido suas habilidades e conhecimento?

Será que somente a escola (oferecendo a educação básica) é suficiente para que os jovens estejam aptos para o mundo do trabalho?

Logo que atingem a idade, os jovens são "recrutados" para fazer o título de eleitor. Depois votam, principalmente em candidatos que os conduziram ou encaminharam ao cartório eleitoral da comarca. E depois?... esta será uma outra repetição da história que continuará no próxima campanha.
Quem sabe, um dia, os filhos dos nossos netos contarão novas histórias a seus filhos.
*******************************************
Ísis Dumont
Foto (de aparelho celular), visitando uma família vizinha, em minha cidade Sertãozinho.
Ísis Dumont
Enviado por Ísis Dumont em 03/10/2014
Alterado em 04/10/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras