Ísis Dumont -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


Sendo Eu apenas

images?q=tbn:ANd9GcRV8h3GhwddN6tOblxqjPH3ooV2IWlT82p3NVVJhQokWIN5DlUWbg
 
Carrego comigo a simplicidade d'alma, a paz de espírito e um amor intenso, incondicional e coroado de ternura. Sei que vocês (escritores/leitores recantistas) não me conhecem pessoalmente, por isso, eu bem  poderia escrever "qualquer coisa a mais" sobre mim ou seja, falar daquilo que não sou. No entanto, jamais faria isso. Tenho compromisso com a verdade em primeiro lugar. Sei também que pessoas que me conhecem (amigos e ex-companheiros de trabalho) de minha cidade, região a até parentes em outros Estados,  algumas vezes me leem.  Apesar de minhas faltas que são muitas, não preciso mostrar uma imagem "distorcida ou maquiada" de mim. Quero tão somente ser "Apenas Eu": 
Alguém que se alegra e se encanta com sorrisos, atenção, carinho, presença, mas também ama retribuir com a mesma ou até maior intensidade. E aqui, peço desculpas por minha franqueza, por ser sincera, por não ter aprendido a não ser verdadeira. Curto muito olhos que brilham mais quando a boca não pode falar. Amo sorrisos que sabem tocar a alma, lábios que beijam dizendo com intensidade o quanto o coração está amando. Aprecio a simplicidade das pessoas. Meu coração sensível se enternece mediante pessoas francas e sinceras.  Tenho facilidade para chorar. Choro por amor, choro de saudade, choro quando vejo alguém sofrendo e, se não posso ajudar de alguma forma, fico mais triste ainda. Se minha tristeza resolve aparecer, raramente conto para alguém, e até os que me conhecem, às vezes não percebem meu estado de4 espírito fora do "normal". Gosto de ser alegre, de transmitir alegria, de levar um pouco de ânimo para quem está desmotivado. Não possuo a receita da felicidade, mas aprendi (com a vida) a tirar proveito dos bons momentos e a ser feliz e a tentar fazer os outros também felizes. Não tenho medo da solidão. Dificilmente ela me visita. Nesses momentos, preciso mergulhar na introspecção e aproveito para refletir. Sei que amar intensamente pode "assustar" alguém. Sei também que posso ser incompreendida por não saber amar diferente, não sei "fazer de conta" que amo. Não sei abraçar sem transmitir calor e afeto.  Não aprendi a sorrir falsamente. Procuro sempre viver fazendo o bem e refletindo sobre o que acontece em minha volta, sobre fatos ou situações que podem me afetar interiormente. Preciso continuar sendo apenas eu, sem mudar para agradar quem quer que seja. Se alguém gosta de mim ou me ama, precisa me aceitar assim como sou, porque também eu amo as pessoas exatamente como elas são. Não quero nem preciso que ninguém mude só para me agradar. Não gosto de complicar nada nem ninguém, mas por outro lado (se for necessário) não tenho medo das coisas difíceis da vida.  Se for necessário caminhar descalça sobre pedras ou prestar depoimento em favor de alguém, faço isso, sem nenhum constrangimento.

Nada do que sou ou do que falei me faz sentir especial. Ainda sou e serei a pessoa que busca ser e viver melhor a cada dia. Não espero pelo pior, mas acredito, acima de tudo que o amanhã sempre nos trará coisas melhores, mais esperança e uma força renovada, que a partir de nossos erros e acertos, podemos aproveitar com sabedoria para voar um pouco mais alto.
*******************
*******

images?q=tbn:ANd9GcT8OYfNSMNIA9STZkbAwaYdtN7-jS8xwKYAZWDkkXx4KfSRU4AY
Ísis Dumont
 
 









 
Aparecida Ramos(Ísis Dumont)
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 06/09/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras