Ísis Dumont -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos

DSC_6486.JPG
Banho de chuva
MULHER_DA_CHUVA.JPG

A chuva cai lenta e contínua.

Gotas se multiplicam rapidamente, embaçando
o vidro da janela.
Observo seu bailado sobre os paralelepípedos
da rua, fazendo brotar em mim o desejo
de voltar a ser criança, quando tomava
deliciosos banhos de chuvas.

Vestida de short e camiseta, me arrisco a caminhar descalça e sem guarda chuva...
Quero voltar ao passado, me ver correndo, pulando sobre poças de água;
Meus longos cabelos lisos e molhados...
Nem tinha pressa de voltar pra casa.


Avisto, longe, crianças brincando de pega pega;

À medida que me aproximo, em meus ouvidos

ecoa forte suas gritarias e algazarras.
Em meio ao grupo, por alguns momentos,
sou uma delas.

O vizinho (idoso), se incomoda,

A essa hora da manhã quer silêncio.


Meu coração em meio às lembranças, sente frio,
Mas, exteriormente quase estou transpirando,
apesar da roupa  já encharcada.
Há vestígios em mim que aceleram os batimentos
cardíacos, porque são recordações de momentos
intensos, vividos sob manhãs ensolaradas
e tardes chuvosas, onde o sol se
recolhia antes da hora, para nos deixar
sob a penumbra, quando a chuva diminuía,
tornando nosso clima ainda mais romântico.

A chuva cai cada vez mais forte e eu decido
retornar, mas antes me despeço dos meninos,
dizendo-lhes que brinquem com moderação
para não se machucarem.
Eles me agradecem e todos de uma só vez,
vem ao meu encontro para me dar um abraço.
E que abraço!!
Acaricio a cabeça de cada um/a,
beijo o rostinho de duas menininhas lindas!
O sorriso largo brotando em cada rosto, em cada olhar inocente, me contagia e me deixa ainda
mais contente!
Saio dali, feliz, com o coração aquecido e
transbordando sorrisos, 
que somente eu conheço os motivos.

Antes de adentrar em casa,
Recolho pétalas de rosas e outras flores caídas
no jardim,..
Consequência do peso das pesadas gotas de água,
em chuvas repentinas, caídas durante a madrugada, que lavaram também minha
alma apaixonada
e carregada de doces recordações.
Em um dia de inverno,  de um ano qualquer:
Hoje! Porque chove aqui!rs
**************************

Ísis Dumont


 

 
Aparecida Ramos(Ísis Dumont)
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 25/07/2014
Alterado em 25/07/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras