Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


images?q=tbn:ANd9GcSpjzVCo9bfIPbWtKjhYCNokrzkES9W9-BPX-6hry9epp87HZL1


Quando Rosas Não Abrem


images?q=tbn:ANd9GcSfmL-r_Ccaz1Vf4WH8u1AMWyzUlqV8pOeSBjkygofeFaqfj6ei0A


Quando rosas não abrem,
lágrimas começam a cair torrencialmente em cada canto
do jardim...

Há tristeza, silêncio profundo tomando conta do tempo, passageiro
ali presente...

Pássaros em bandos dormitam durante o dia, abandonam campos, viram desertores de uma terra também abandonada.

Sob as asas recolhem os bicos, gastos na procura de alimentos
cada vez mais escassos.



images?q=tbn:ANd9GcTE-Y4rLbv23PLCdafCM8po5XQ9faeBslthK6a1OCO_ajG9dipKag


Quando rosas não abrem,
ouve-se um clamor, o qual comove até o mais duro
dos corações:
O beija flor, isolado, chora copiosamente, travando
as asas, num ato de resistência, recusa-se a visitar
outras flores.

images?q=tbn:ANd9GcQ23pUcKTu5r3YM-HYydEPkFwhUfNaAc7pPIWzMNRDuQ2-4PGx8Dw
Quando rosas não abrem,
botões passam por um processo
de “maturação”, na esperança de
que um dia chegue o amanhecer
e as rosas até então fechadas,
possam abrir...
 
Mas se não abrirem-se?...
- o céu permanecerá tingido de chumbo e liberando tristes  e salgadas gotas de seu pranto
sobre o beija flor, sobre os pássaros, sobre as outras flores...
 todos inquilinos daquele miserável, enlutado e desolado
jardim.



Z


Isis Dumont
 
Aparecida Ramos(Ísis Dumont)
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 17/09/2013
Alterado em 17/09/2013
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras