Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos

"Um Dia Para Ele"
 

Caríssimos/as amigos/as recantistas
Bom dia!!!


Domingo, para os cristãos, "Dia do Senhor"!...

Será que dar para pensar nisso, quando a semana termina?



É possível para nós, em meio à correria, borburinho, trabalho, responsabilidades familiares, tarefas diárias, interesses diversos, encontrarmos tempo para Ele?

Qual importância, qual é o lugar que Jesus ocupa em nossa vida?

Em nosso coração há um espaço reservado para Ele ou... apenas gritamos Seu nome na hora da dor, no momento em que estamos à beira de algum "abismo" ou quem sabe, padecendo de solidão porque alguém que amamos nem lembra mais da gente?

Alguma vez, eu e você já paramos para avaliar, pensar um pouco sobre o tempo que usufruimos em nossa vida, sem lembrar nem procurar viver as coisas do Alto?

Quantas e quantas vezes lamentamos prejuízos, insucessos, falta de "sorte", sem nos dar conta de que somos nós mesmos os culpados pelo sofrimento que padecemos!

Sim! Só nós possuímos a chave que abre nossa casa, e somos nós mesmos quem abrimos o espaço para que o "mal" adentre, ocupe os aposentos e nos castigue. Isso ocorre em todos os sentidos de nossa vida, com raras exceções!

Para Jesus nem precisa um dia inteiro, mas uma vida inteira de momentos "vigilantes", para que, quando o ladrão chegar não nos encontre dormindo ou descuidados!



Obrigada por você ter vindo! Obrigada por sua atenção! Que sua semana seja plena de alegria, trabalho, realizações, paz, saúde e graça!

Pra você, com amor e ternura do meu para o seu coração!
Beijos! Beijos! Beijos!


images?q=tbn:ANd9GcQBqt5yqTWKzapSVuPo7R0VpgLB8Q9ubJv7nfmzfcBYmfZOb001






                            
                    ***Isis Dumont***


 



 

Dia Litúrgico: Domingo XXI (C) do Tempo Comum


images?q=tbn:ANd9GcRQxuuoT4uWxl5g3reM_adgAScQVoFRw5aehepnSViI3eWyjarwUA


Evangelho (Lc 13,22-30): Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando e prosseguindo o caminho para Jerusalém. Alguém lhe perguntou: «Senhor, é verdade que são poucos os que se salvam?». Ele respondeu: «Esforçai-vos por entrar pela porta estreita. Pois eu vos digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão. Uma vez que o dono da casa se levantar e fechar a porta, vós, do lado de fora, começareis a bater, dizendo: ‘Senhor, abre-nos a porta!’. Ele responderá: ‘Não sei de onde sois’. Então começareis a dizer: ‘Comemos e bebemos na tua presença, e tu ensinaste em nossas praças!’ Ele, porém, responderá: ‘Não sei de onde sois. Afastai-vos de mim, todos vós que praticais a iniqüidade!’ E ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, Isaac e Jacó, junto com todos os profetas, no Reino de Deus, enquanto vós mesmos sereis lançados fora. Virão muitos do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus. E assim há últimos que serão primeiros, e primeiros que serão últimos».

Comentário: Rev. D. Pedro IGLESIAS Martínez (Rubí,
Barcelona, Espanha)

Senhor, é verdade que são poucos os que
se salvam?

Hoje, o Evangelho situa-nos diante o tema da salvação das almas. Esse é o núcleo da mensagem de Cristo e a “lei suprema da Igreja” (assim o afirma o Código de Direito Canônico). A salvação da alma é uma realidade enquanto é um dom de Deus, mas para quem ainda não tem ultrapassado os limites da morte é apenas uma possibilidade. Salvar-nos ou condenar-nos, ou seja, aceitar ou rejeitar a oferta do amor de Deus pela eternidade toda.

Santo Agostinho dizia que «se tornou digno dum mal eterno aquele que em si destruiu um bem que poderia ser eterno». Nesta vida existem apenas duas possibilidades: com Deus ou, a nada, porque sem Ele nada tem sentido. Desse jeito, vida, morte, alegria, dor, amor, etc. são conceitos que não tem lógica quando não participam do ser de Deus. Quando o homem peca, esquiva o olhar do Criador e centra o seu olhar em si mesmo. Deus olha incessantemente com amor o pecador e, para não forçar sua liberdade, espera um mínimo gesto de vontade de retorno.

«Senhor é verdade que são poucos os que se salvam?» (Lc 13,23). Cristo, não responde à pergunta. Então a pergunta fica sem resposta, e também hoje, pois «é um mistério inescrutável entre a santidade de Deus e a consciência do homem. O silêncio da “Igreja é, pois, a única posição do cristão» (João Paulo II). A Igreja não fala sobre os que habitam o inferno, mas —baseando-se nas palavras de Jesus Cristo— fala sobre sua existência e sobre o fato de que haverá condenados no juízo final. E todo aquele que negar isso, seja clérigo ou laico, incorre em heresia. 

Somos livres para tornar o olhar com nossa alma ao Salvador e, também somos livres para obstinar-nos na sua rejeição. A morte petrificará essa opção pela eternidade toda...

evangeli.net
Ísis Dumont e Evangeli net
Enviado por Ísis Dumont em 25/08/2013
Alterado em 25/08/2013
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras