Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


         
protestos-paulista-g-20110907.jpg
Protestos em São Paulo
O descompasso absurdo entre as inquietações de nossos sábios e a vida real dos homens e mulheres de São Paulo acaba de ser exposto de forma simples e radical.

Enquanto a parte de cima da cidade passou os últimos anos procurando transformar a definição de ciclovias em questão de alta relevância para os poderes públicos, a população debaixo estava preocupada com o preço da passagem de ônibus. 

A revolta popular-juvenil contra o aumento da passagem já dura vários dias. É lamentável pela violência, em que a falta de preparo da polícia se combina com o excesso de espírito provocador de uma parcela de estudantes. 

 

Mas os protestos são grandiosos, mobilizam milhares de pessoas e envolvem uma causa justíssima. 

 

Obrigada, desde o último aumento, a gastar pelo menos R$ 192 por mês – ou R$ 2.304 por ano -- apenas para se deslocar duas vezes por dia pela cidade, a  população que anda de ônibus e metrô tem o direito de ser ouvida num ambiente de serenidade e respeito, para avançar em suas reivindicações. 

 

Para quem recebe o salário mínimo, a passagem consome três meses de trabalho no ano. Nem a turma que tem carro reserva para usar no rodízio vai dizer que é pouco, certo? 

 

Em matéria de transporte coletivo, essa forma sutil mas essencial de cidadania nos grandes centros urbanos, que envolve as obrigações  de todo mundo, mas também o exercício prático do direito de ir e vir, o mundo de cima cometeu um absurdo erro de cálculo.

 

Conseguiu-se até patrocínio para ampliar o lugar das bicicletas, um meio de transporte cujo charme indiscutível não deveria encobrir seu caráter limitado, espaçoso e lento, que complica o transito de ônibus e automóveis em ruas e avenidas, mas nada ofereceu à maioria dos paulistanos, forçados a pagar a mais cara tarifa de transporte público do país por sardinhas em lata inseguras, desconfortáveis e até perigosas. 

 

O risco de uma reação já era previsível há dois anos, quando protestos contra o penúltimo aumento chamaram a atenção na avenida Paulista e em outros pontos da cidade. 

 

Toda proposta capaz de aliviar a situação do transporte coletivo é bem-vinda, como a criação de faixas exclusivas para ônibus nas marginais e em outros pontos da cidade. Mas são soluções paliativas, de efeitos modestos em comparação com investimentos realizados e o desgaste que produzem.

 

Uma década depois que a prefeita Marta Suplicy criou o bilhete único, última novidade socialmente relevante na vida dos paulistanos, as labaredas afirmam, com ênfase incendiária, que é preciso avançar mais, com mais ousadia, na mesma direção.

 

Iniciada no governo de Paulo Maluf, a privatização dos transportes públicos da cidade já se revelou um fiasco histórico. Inviabiliza a prestação de um serviço público essencial e deixa a população na dependência das planilhas de cálculos das empresas de ônibus. O debate sobre a municipalização dos transportes está colocado. A criação da passagem gratuita -- ou muito barata -- também deve ser debatida. 

 

Além de pneus, lixo e todo material inflamável que se encontra nas ruas, as chamas dos últimos dias consumiram ideias tolas e ultrapassadas. O que está pegando fogo em São Paulo é uma visão oligárquica da cidade.

 

Quem não percebeu isso não compreendeu nada, como diria um conhecido pensador do iluminismo. 

Paulo Moreira leite
Isto É Independente

Imagem do Google

 


Isto É Independente
Enviado por Ísis Dumont em 14/06/2013
Alterado em 14/06/2013
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras