Ísis Dumont -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


9k=



SÍMBOLO DA MULHER PARAIBANA

VIOLETA FORMIGA E O DESEJO DE SER PÁSSARO 
 
As pessoas não morrem, ficam encantadas.  
 (João Guimarães Rosa)  
 
Violeta de Lourdes Gonçalves Formiga nasceu na cidade de Pombal (PB), no dia 28 de maio de 1951 e foi brutalmente assassinada no dia 21 de agosto de 1982. 

Este ano completa 25 anos de seu encantamento. Poeta e psicóloga, Violeta era uma alma sensível e teve forte atuação nas letras paraibanas, publicando poemas no “Correio das Artes” e em outros suplementos literários. Em 1981, lançou, na Galeria Gamela, Contra Cena. Sensações, publicado em 1983, é uma edição póstuma.  
 A poesia de Violeta Formiga denota uma profunda paixão pela vida. Os poemas são curtos, versos simples, com destaque para os aspectos da vida cotidiana. 

O crítico literário Hildeberto Barbosa Filho ressalta que a poesia de Violeta é lírica e confessional, mas não resvala para o subjetivismo, é uma poética que se centraliza no emissor, no “eu - lírico”.  
 Na edição do livro Sensações, vários poetas e amigos registraram depoimentos que ressaltam o valor de sua poesia e seu modo descontraído de ver e sentir o mundo. 
Através desses depoimentos, podemos traçar um retrato físico e psicológico da poeta.  
 
Altemir Garcia revela a frialdade do assassino com estas palavras:  
... Depois nem lavou as mãos. Ligou a vitrola e foi escutar Brahms. 
 
Anco Márcio destaca o local escolhido para alojar a bala assassina:  
... Logo no coração. Meu Deus, no lugar onde ela guardava todo o seu estoque 
de poesia e ternura.   

Carlos Tavares vislumbra a força da poesia de Violeta:  
E Violeta fez questão de gritar e gesticular pra todo mundo com suas estrofes, 
versos prontos e reticências.  
 
Cláudio Limeira chama a atenção para a musicalidade dos versos da poesia de 
Violeta:  
... Cante a última canção sem viola.  

O jornalista e cronista Evandro Nóbrega faz uma descrição física de Violeta, 
destacando a morenez e o brilho do olhar: 
Morena, com um quê de boneca ágil, pequena, sorridente, bonita a seu jeito, 
pulsante de cor e energia. Os olhos, os olhos pretos, vivos penetrantes, prazenteiros, 
joviais.  

O cronista Francisco Pereira Nóbrega rememora uma frase dita por Violeta que 
é um reflexo de sua maneira de ser:  
Violeta, onde estiver, estará repetindo a primeira frase que me disse: 
“deixaram a gaiola aberta, o passarinho voou. Achei foi bom”.

Nelson Tangerini (RJ) louva a poeta e a poesia com essa contundente 
afirmativa:  
 Aos artistas, a pena, a arte... aos incompetentes, as armas. 

O tenente Lucena instiga as mulheres  paraibanas a adotarem a violeta como 
símbolo:  
Mulher paraibana adote a violeta como símbolo. 
 
O desejo de ser pássaro aparece em alguns de seus poemas e Dádiva representa 
bem esse desejo:  
 Ser pássaro  
 e voar infinito.  
 (Que seja este 
 o  meu último  
 castigo) 
 
Para conhecer a poesia de Violeta Formiga é recomendável viajar pelos seus 
versos, diminutos em quantidade, mas ricos em qualidade literária. A leitura dos poemas que figuram nos dois livros de poesias – Contra Cena e Sensações – permite 
que o leitor mergulhe no universo poético dessa pombalense de vida breve, mas que soube, com seu canto, mesmo sem viola, atravessar as fronteiras da Paraíba.  

 Os livros de Violeta Formiga não  foram mais reeditados, só é possível encontrá-los em bibliotecas ou em sebos. O impacto da morte de Violeta suscitou depoimentos pungentes, tudo não pode cair no esquecimento, é necessário que a sua 
poesia seja revisitada através da reedição de seus livros.  
• Neide Medeiros Santos é professora e crítica literária. 
• Este texto foi publicado no jornal  O Norte. João Pessoa, 21 de agosto de 2007, 
p. C3 e no Correio de Poesia. João Pessoa, setembro de 2007, No. 801  


Poema Montagem: 

EU, Violeta Formiga 
Saio de mim mesma
como pássaro
do ovo. 
De espaço 
e asas 
faço meu aprendizado, 
mágico vôo. 

Minha vida 
por uma única 
palavra: 
Liberdade. 
(Então eu 
serei feliz
como os anjos 
que ainda não 
nasceram). 

Não deixe que eu morra
me sinta.
É assim que eu sou
alegre e triste, 
eterna e efêmera
amante do belo
e da miséria companheira.



 
Segundo informações que ouvi em um Seminário, a Poeta paraibana sofria bastante, tendo em vista o ciúme (doentio) do marido, que acabou, ele próprio tirando-lhe a vida. Violeta pagou o mais alto preço, por ser bonita, inteligente, sensível, poeta e principalmente por ser Mulher! A prepotência, a "ignorância", enfim, a cultura machista prefere subtrair uma vida a ter que aprender a conhecer e respeitar a alma de uma mulher! Orgulhosos, eles nem se dão conta de que estão "esvaziando", diminuindo algo que tanto gostam: o poder que exercem com arrogãncia sobre elas.
Muitas outras "Violetas" já perderam a vida, de forma brutal, precoce e covardemente, e inúmeras outras irão perder... Até quando???



Isis Dumont
 


 
Da: Internet
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 05/01/2013
Alterado em 13/12/2017
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras