Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos


CACTO EM FLOR-Minha Poesia


jardicentro_flores_floralusitana_cactos_mistura.jpg

 

Minha poesia surgiu... emergiu do solo sem húmus, seco, fragilizado, sangrado, rachado,  aparentemente sem nenhuma perspectiva de vida...

Minha poesia nasceu, floresceu forçosamente entre pedras e espinhos a partir da dureza do parto no ventre da terra árida, ressequida, improdutiva...  de onde nascem os cactos.

Minha poesia desenvolveu a duras penas, a capacidade de conviver em meio às adversidades do tempo de toda e qualquer estação, sem perder totalmente o brilho e preservando, pelo menos uma sombra pequenina de ternura.


Minha poesia é o menor dos rebentos nascido no caule amamentado, alimentado e banhado de sol, dessa planta resistente, típica também do sertão nordestino. 

E sendo poesia ou não, minhas palavras conseguem delinear em suas entrelinhas o desenho, quem sabe, da flor colorida e mais vigorosa, e por isso torna-se "Cacto em Flor".

Isis Dumont
João Pessoa- PB, 23/04/2012, às 07:55h.



 
Aparecida Ramos(Ísis Dumont)
Enviado por Aparecida Ramos(Ísis Dumont) em 23/04/2012
Alterado em 26/06/2017
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras