Aparecida Ramos -  Prosa e Verso

Apenas palavras que a alma e o coração não calam.

Textos



ONDE ESTÃO AS MINHAS MULHERES...


agricultorasstas.jpg

 

Onde estão as minhas mulheres...
jovens, meninas, namoradas, noivas, comprometidas, esperançosas...

Onde estão as minhas mulheres... 
casadas, separadas, traídas ou traidoras,
adúlteras, sofridas, oprimidas, exploradas discriminadas, difamadas...

Onde estão as minhas mulheres...
senhoras, maduras, idosas, benzedeiras, trabalhadoras, conselheiras, parideiras, largadas, abandonadas, com filhos para cuidar, viuvas, e viuvas de maridos vivos (ausentes naquele tempo de
êxodo rural)...

Onde estão as minhas mulheres...
lavadeiras, passadeiras, rezadeiras, cantoras de ladainhas, de novenas, do mês de maio e dos terços da quaresma e da Medalha Milagrosa...

Onde estão as minhas mulheres...
grávidas todos os anos, de filhos pequenos
nos braços e filhos pequenos segurando pela mão, subindo as ladeiras, buscando água na lagoa, nos açudes, lavando roupas no rio ou nos lagedos...

Onde estão as minhas mulheres...
de maridos largados, despojados, embriagados, desempregados, esquecidos, ausentes, distantes (no Rio de Janeiro, e muitos sem  comunicação), e outros  arrogantes e, muitas vezes cheios de razão.

Onde estão as minhas mulheres...
das cantigas na roça, contando os grãos, fincando o calcanhar no chão, e semeando o milho, a fava e o feijão. Arrancando da terra a batata, a mandioca, enchendo a
carga, pegando pesos enormes, muitas vezes, grávidas, sem nenhuma compaixão...

Onde estão as minhas mulheres...
o dia inteiro nas casas de farinha, raspando mandioca, uma roda enorme, muitas conversas, muitas risadas, mas muito cansaço, noite a dentro peneirando a massa, preparando a goma, raspando o coco e
assando o beiju para a filharada...

Onde estão as minhas mulheres...
analfabetas, sem profissão, ignoradas,de pés descalços, de pele  tostada de sol e mãos cinzentas cheirando a sabão. 

Onde estão as minhas mulheres...
cuidadoras dos animais, tiradeiras de leite, colhedoras dos frutos para alimentar sua prole  numerosa, mulheres sofridas, tantas vezes chorosas, mas guerreiras, determinadas e vitoriosas...

Apesar do tempo...
Todas as mulheres ainda vivem em mim, nas minhas lembranças de infância...
Isis Dumont

Imagens do: Google.
Ísis Dumont
Enviado por Ísis Dumont em 27/03/2012
Alterado em 26/02/2017
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras